Arxiu mensual: maig de 2014

CATALUNHA EM BUSCA DA INDEPENDÊNCIA (3ª parte)

Internacional
Políticos montam estratégia

Taíza Brito

Publicada originalmente no Jornal do Commercio (Brasil) em 25/05/2014

Veja aqui o link (pago) ou baixe o arquivo pdf da página impressa no anexo a este post (Matéria JC completa).

Ancorado na manifestação popular de 11 de setembro de 2012, o presidente Artur Mas chamou os catalães às urnas. O Parlamento catalão eleito em janeiro de 2013 aprovou, com 2/3 dos deputados, uma declaração de soberania que define o povo da Catalunha como “sujeito jurídico e político soberano”. A declaração foi lavrada para abonar o caminho do chamado “direito a decidir”, com o objetivo final de organizar a consulta para que os catalães digam se querem se separar da Espanha.


Esta declaração de soberania foi considerada sem efeitos jurídicos pelo Tribunal Constitucional, após recurso do governo de Madri. Mas o governo da Catalunha não tirou o documento do seu site na internet, em mais um gesto desafiador. Dois meses depois, com vistas a dar legitimidade ao processo, o Parlamento catalão aprovou, de novo por maioria, uma resolução na qual se obriga a “iniciar um diálogo” com o Estado para realizar a consulta popular.

CATALUNHA EM BUSCA DA INDEPENDÊNCIA (2ª parte)

Publicada originalmente no Jornal do Commercio (Brasil) em 25/05/2014

Veja aqui o link (pago) ou baixe o arquivo pdf da página impressa no anexo a este post (Matéria JC completa).

Internacional

Movimento popular e pacífico

Taíza Brito

Em 10 de julho de 2010, na véspera da final da Copa do Mundo entre Espanha e Holanda, houve uma manifestação em Barcelona que congregou 1 milhão de pessoas. Organizada pela associação Omnium Cutural, o lema era “Somos uma nação, nós decidimos” e externava o repúdio popular à sentença – publicada um dia antes – do Tribunal Constitucional da Espanha contra o Estatuto da Catalunha.

Naquela manifestação, pela primeira vez, centenas de milhares de vozes catalãs se levantaram para gritar a favor da independência. Foi a partir desse episódio que se percebeu que a desconexão emocional com a Espanha era coletiva, ganhando proporções gigantescas, a despeito dos êxitos esportivos de “La Roja”.

  Continua llegint

CATALUNHA EM BUSCA DA INDEPENDÊNCIA (1ª parte)

No domingo passado (25/05) foi publicado no Jornal de Commercio (JC) matéria sobre o processo histórico que a Catalunha está vivenciando como sujeito político em busca da independência. O JC é um jornal impresso de alta circulação do Recife (Brasil) e a matéria, assinada pela jornalista Taíza Brito, ocupou a contracapa inteira, colorida, do caderno Internacional. O tema entrou na pauta da mídia brasileira  a menos de um mês do início do mundial de futebol.


Veja aqui o link (pago) ou baixe o arquivo pdf da página impressa no anexo a este post (Matéria JC completa). Publicaremos no blog o texto dividido em três partes. Como segue:

   Continua llegint

SOBERANISMO CATALÃO COBRA MAIS FORÇA APÓS ELEIÇÕES EUROPEIAS

Publicado originalmente no Diário Liberdade em 26 de maio de 2014. Baseado em matéria de Vilaweb.

Soberanismo catalão cobra mais força após eleições europeias

Países Catalães – Diário Liberdade – Se bem um dos grandes grupos pró-independência na Catalunha – as CUP – tinha chamado à abstenção, algum eleitorado independentista foi mobilizado percebendo esta votação como uma demonstração de força perante o referendo pela independência a se celebrar em Novembro.

Ao contrário que em muitos outros territórios, a participação na Catalunha subiu 8.4 pontos, mas situando-se num ainda escasso 47%. Contudo, e tendo em conta que uma parte do eleitorado pró-independência decidiu secundar a chamada à abstenção, as forças soberanistas acumulam o 55.81% dos votos emitidos.

Isto significa que os partidos a favor de celebrar o referendo de independência e votar “sim” nele, tiram um 25% mais que as forças unionistas , ou a favor da continuidade no Estado Espanhol (mero 30%, e com alguma divisão interna).

Além de mais, uma nova força política aparecida nestas eleições, “Podem“, tem declarado em campanha a aceitação da independência da Catalunha se o povo catalão assim o decidir. Desta forma, o seu 4.66% dos votos poderia ser somado ao grupo soberanista, superando o 60%.

Continua llegint

FORÇAS PRÓ-INDEPENDÊNCIA DA CATALUNHA CONQUISTAM MAIORIA ABSOLUTA

 Publicado originalmente em 25/05/2014

As forças pró-independência da Catalunha obtiveram 55,82% dos votos escrutinados nas eleições europeias de hoje, mais 18 pontos que no voto de 2009, com os dois maiores partidos espanhóis a serem fortemente penalizados.

NOTÍCIAS LUSAS SOBRE A CATALUNHA UM DIA ANTES DA FINAL DE LISBOA

Um dia antes da Final de futebol da Champions League, que ocorre hoje em Lisboa, enfrentando os dois principais times da capital da Espanha, apareceram duas notícias, em rotativos digitais portugueses, sobre o processo de independência da Catalunha. O motivo? A entidade OMNIUM, que trabalha em prol da língua e cultura catalãs, está prestes a realizar ação coordenada consistente em erguer castelos humanos em 7 capitais europeias, incluindo Lisboa, para chamar a atenção da opinião pública internacional sobre a intenção dos catalães de realizar referendo para decidir seu fututo político, mesmo com a posição contrária da Espanha.

As duas notícias recolheram declarações à Lusa de Muriel Casals, presidenta de OMNIUM sobre os detalhes da ação, prevista para 08 de junho, e sobre os motivos que levam a Catalunha a não querer permanecer na Espanha. A primeira notícia já a divulgamos no post anterior. Segue agora a segunda, que apareceu no site da tvi24

Continua llegint

POR UM PAÍS DE CORPO INTEIRO

O Jornal i de Portugal (ionline.pt), publicou, em 23 de maio, entrevista com Muriel Casals, presidenta de OMNIUM, associação cívica que trabalha em prol da língua e cultura catalãs, sobre os motivos pelos quais aquela “nacionalidade histórica” busca a independência da Espanha. OMNIUM está organizando, para 8 de junho, ação coordenada em sete capitais europeias, dentre elas, Lisboa, visando a sensibilizar a União Europeia e o mundo sobre o desejo do povo da Catalunha de decidir seu futuro político em um referendo no próximo 9 de novembro.

Continua llegint

ESPANHA AMEAÇA FECHAR CANAIS DE TV DA CATALUNHA

Publicado originalmente no Diário Liberdade em 19 de maio de 2014.

Governo espanhol pretende fechar parte da televisão catalã

Países CatalãesDiário Liberdade O governo espanhol exige ao governo catalão o feche de grande parte dos canais da Corporação Catalã de Meios Audiovisuais, sob escusa “técnica”. A notícia surgiu há poucas horas de boca de Francesc Homs, porta-voz do governo catalão. Isto suporia uma severa limitação no funcionamento deste ente público.

“Sobre a base duma questão em aparência técnica, que é como se distribui o espaço radio-eléctrico, foi-nos comunicado que a metade do espaço que ocupa a CCMA há de ficar livre”, sinalou Homs, ainda acrescentando “Tínhamos destinados dois múltiplex ou blocos de espaços para emitirmos diferentes canais, e agora um dos dois já não se poderá utilizar. Isto faria passar de oito canais disponíveis a quatro”.

Continua llegint

O AMOR PELA LINGUA CATALÃ NO JORNAL PORTUGUÊS O PÚBLICO

O amor pela língua catalã e sua crescente popularização através da música e do cinema foi tema de reportagem publicada no site do jornal português Público, no último dia 10 de maio. A jornalista Maria João Guimarães, que assina o texto – primeiro de uma série sobre as eleições para o Parlamento Europeu que ocorrem em 25 de maio -, colheu vários depoimentos sobre o tema em Barcelona. Na capital catalã, ouviu músicos e dubladores de filmes que utilizam o catalão como língua de expressão e de trabalho. Apontaram a relação tensa com a Espanha por conta da tentativa de imposição do castelhano nas escolas catalãs. Também traz depoimentos sobre o referendo de 9 de novembro, quando os votantes da comunidade autônoma serão inquiridos sobre a independência.  

“SINTO-ME EUROPEU? SIM, MAS SERIA COMO UM APELIDO. CATALÃO EUROPEU”

Em Barcelona ouve-se falar muito de respeito, respeito pela língua e cultura. Depois de ter sobrevivido a proibições e maus-tratos, o catalão é agora o ponto de honra. E um dos momentos em que os catalães se levantaram para defender a sua língua foi em 2001, tudo por causa do primeiro filme de Harry Potter.

Na altura, a produtora Warner recusou autorizar uma versão dobrada (dublada) em catalão, provocando uma onda de indignação de políticos, sindicatos, com abaixo assinados, uma pressão de tal ordem que levou a empresa a reconsiderar e aceitar um acordo para que os próximos filmes fossem dobrados (dublados) em catalão. No segundo filme da série, Harry Potter já “parla catalã”, pela voz de Masumi Mutsuda.

GUERRA ENTRE BANDEIRAS

 

O site de notícias Expresso, de Portugal, trouxe na edição do último dia 12 de maio matéria assinada pela jornalista Cristina Pombo, na qual relata estar havendo uma guerra de bandeiras na Catalunha, em função do processo de independência.

Com a manchete “Bandeira espanhola aumenta de tamanho em edifícios oficiais, a materia conta como  o governo de Madri teria ordenado a mudança das bandeiras da Espanha nos prédios públicos por insígnias de maior tamanho. Supõe-se que seria para dar maior visibilidade diante das estelades – bandeiras catalãs pró-independência – que se espalharam em telhados de casas, sacadas de prédios e varandas de apartamentos por toda Catalunha.

A matéria do site português diz que a “Rojigualda”, como é popularmente conhecida a bandeira espanhola, pode ser vista agora com maior facilidade nos vários edifícios da administração do estado, especialmente em Barcelona. E que o governo central e Ministério da Defesa admitem que realizou a troca, mas rejeitam que haja relação disso com o processo soberanista. A população se prepara para votar sobre a independência no referendo marcado pelo governo da Catalunha para 9 de novembro.

Continua llegint

EMPRESARIADO CATALÃO LANÇA MANIFESTO EM FAVOR DA CONSULTA

baseado na matéria do jornal catalão El Punt/Avui, publicada em 08/05/14.

O Pacto Nacional pelo Direito a Decidir, que defende a realização do referendo sobre a independência da Catalunha, previsto para 9 de novembro, ganhou importante apoio na semana passada. É que representantes de 28 empresas catalãs assinaram o “Manifesto do Farol”, através do qual declararam “apoio incondicional” ao processo empreendido pelo Parlamento catalão, “avalizado por uma ampla maioria de seus deputados” e o desejo de que os catalães possam “expressar sua vontade sobre o futuro do país”.

O manifesto foi assinado no último dia 8 de maio, no farol de Sant Sebastià, em Palafrugell, Girona. O documento expressa o compromisso de “respeitar e apoiar a decisão que adote o povo catalão, seja qual for. E teve o apoio de representantes das 13 câmaras de comércio da Catalunha, bem como por diversas entidades patronais, entre elas Amec, Cecot, FEPIME, FemCAT PIMEC, e outras setoriais ou territoriais de Anoia, Lleida, Maresme, Osona e Sant Cugat.

A importante Foment del Treball não quis participar do processo, se bem que algumas das empresas associadas a essa patronal estiveram presentes a título individual.

Continua llegint

DESMOND TUTU DEFENDE O DIREITO A DECIDIR DA CATALUNHA

Baseado na matéria do Vilaweb, de 09/05/14.

Uma das estrelas da queda do apartheid na África do Sul, o arcebispo emérito de Cidade do Cabo, Desmond Tutu, falou esta semana, através da TV3 (canal público catalão), sobre o direito a decidir dos catalães a respeito da independência. “Espero que vocês sejam adultos o suficiente para ver que têm que sentar e ouvir ums aos outros. Não é bom forçar as pessoas a uma união que elas não querem. Quando isso acontece, a sensação é de ter um jugo no pescoço. Isto é o que vemos”.

A declaração foi feita a seis meses do 9 de novembro, data prevista pelo governo da Catalunha para a realização do referendo sobre a independência. Em sua fala, o Prêmio Nobel da Paz enfatizou mais de uma vez a necessidade de ouvir as reivindicações dos catalães. “Se as pessoas sentem que querem sair de um país, então precisamos ouví-las e não forçá-los a um relacionamento”, afirmou.

Continua llegint

CASTELOS HUMANOS NA EUROPA PELO DIREITO A DECIDIR DA CATALUNHA

Seis cidades emblemáticas da Europa serão palco, em 8 de junho, de uma ação reivindicativa que promete chamar a atenção do mundo para o processo de independência da Catalunha. A ONG Òmnium Cultural realizará a campanha Catalans want to vote, human towers for democracy (Catalães querem votar, castelos humanos pela democracia), que consistirá na formação simultânea de castelos humanos em locais simbólicos de Berlim (Alemanha), Bruxelas (Bélgica), Genebra (Suiça), Lisboa (Portugal), Londres (Inglaterra) e Paris (França).

Continua llegint

O INDEPENDENTISMO E A UNIÃO EUROPEIA

O diretor geral honorário da Comissão Européia, Graham Avery, publicou ontem no site do European Policy Centre (EPC) um relatório intitulado “Independentism and the European Union”. O texto trata sobre a política da União Europeia (UE) em relação à questão da independência, com preocupação especial pelo caso da Escócia (Reino Unido), que tem reflexos indiretos na Catalunha (Espanha) e em Flandes (Bélgica). O EPC (Centro de Políticas Européias, em português) é um Think Tank independente fincado em Bruxelas, espécie de observatório das políticas públicas europeias.

Avery, que é assessor principal do EPC e já trabalhou como alto funcionário da UE, ressalta que escreveu o relatório a título pessoal, mas com maior objetividade possível.  Preocupado com a desinformação em relação à atual polêmica da possível expulsão de uma Escócia independente da União Europeia, resolveu produzir o texto.

A conclusão do documento é que a política implícita da UE no tocante ao independentismo na Europa consiste numa recusa inicial, seguida de uma aceitação pragmática. “Quando a independência é iminente ou tornou-se um fato estabelecido, a reação da UE e dos seus estados membros tem sido a de tratar a questão e tentar encontrar soluções para os problemas resultantes”, disse Avery.

Continua llegint

UM PODER MILITAR SUPERIOR E INDEPENDENTE DO PODER CIVIL

Artigo publicado originalmente em inglês pelo Centre d’Estudis Estratègics de Catalunya (CEEC), na terça feira, 29 de abril de 2014, sob o título A military independent of and superior to the civil power

Na imagem, cena da assinatura da constituição dos Estados Unidos

 

A Declaração de Independência dos EUA é um texto clássico no pensamento jurídico e político, encarnando muitos dos ideais pelos quais os povos lutaram e continuam lutando.

Não é por acaso que leituras públicas desse texto têm ocorrido nesses últimos meses na Catalunha, uma vez que “a terra dos livres” é, e continua sendo, uma fonte de inspiração para os povos amantes da liberdade em qualquer lugar. Os redatores da Declaração da Independência os EUA foram muito cuidadosos para explicar o porquê, depois de muito tempo buscando uma recondução dentro do marco constitucional do Império, se sentiram compelidos a apostar pela própria soberania. Eles estavam cientes, e explicitamente o disseram, que esta não era uma decisão fácil, tomada no calor do momento. Pelo contrário, foi somente após anos de reiteradas petições de boa fé, todas sem sucesso, que determinaram que o único caminho para continuar avançando era a independência.

Algumas das razões expostas pelos Pais Fundadores são bem conhecidas e muitas vezes são nomeadas no discurso político e popular. No entanto, não é uma má ideia ler, vez por outra, o texto original, entre outras razões para nos certificar de que não esqueçamos outras passagens menos famosas, embora igualmente significativas.

Continua llegint